"BACIRO CAN..." CONTRARIA A LÓGICA E COLOCA OS DJURTUS PELA 3ª VEZ CONSECUTIVA NO CAN

O selecionador Nacional de Futebol, Baciro Candé, (BACIROCAN) liderou, mais uma vez, os Djurtus para mais uma proeza. Desta vez, para a terceira qualificação consecutiva à um Campeonato Africano das Nações. Sim leu bem, "três vezes consecutivos para fase final de um CAN", pelas mãos de Baciro Candé.



Num jogo de tudo ou nada, diante da poderosa seleção de Congo Brazzaville, e quando todo o favoritismo pendia para o lado contrário, e quando tudo parecia impossível, os comandados de Baciro Candé, surgiram das cinzas, como fénix, e desafiaram a lógica, goleando por 3-0 a seleção do Congo, e carimbou a passagem para fase final do CAN CAMARÕES 2022.

Os rapazes mostraram a verdadeira identidade do povo guineense, aquele que, apesar das adversidades, nunca desiste, aquele que, não importa quantas vezes vai cair, mas sempre disposto a levantar e continuar a lutar até a conquista dos seus mais nobres objetivos. 

Apesar de um nervosismo, causado pela ansiedade, pelo que estava em jogo, os Djurtus fizeram mais do que vencer a partida, que era o seu objetivo, mas também convenceram e mais uma vez, o que falou mais alto, foi a coletividade.

Foram primeiros 45 minutos intensos e de equilíbrio, mas sobretudo de muita ansiedade dos rapazes de "El Comandate" Candé, que criaram e disperdiçaram várias oportunidades de golo, mas no último minuto do primeiro tempo conseguiram concretizar, o primeiro de partida, sob batuta de Piquete Djassi. 

No segundo tempo matou o jogo finalizando por duas vezes na baliza adversária, através de Frédéric Mendy e Jorge Intima. 

Evidenciou a qualidade coletiva da equipa, um espírito de solidariedade, de entre ajuda, e de entrega total dos rapazes que deram tudo dentro das 4 linhas, para escrever mais um capítulo dourado da história do nosso futebol. 

Fruto de três vitórias e três derrotas, com 9 pontos na tabela classificativa, a turma nacional qualificou-se na segunda posição atrás do Senegal no grupo I. 

Foi preciso renascer das cinzas...quando tudo apontava para desqualificação, aliás, era o que parecia ser o mais lógico.

Vencemos em casa na primeira jornada, por 3-0 frente à ESwatini, e logo a seguir perdemos mais três jogos seguidos, uma vez contra o Congo [3-0] e duas vezes com o Senegal [2-0] e [0-1], para depois conseguir duas vitórias, na Eswatini por [1-3] e ontem em casa, a turma nacional saboreou apuramento com a vitória de [3-0], contra Congo Brazzaville. 

Porém, era preciso ter muita fé e coragem, para continuar a ter forças...mas os rapazes, provaram que nunca faltou-lhes a força de vontade, e pela terceira vez consecutiva, colocaram o país, entre as melhores seleções da África.

Conquistaram respeito e admiração de todo o continente Africano e do mundo. Na qual a coletividade falou mais alto.

Como sempre, ontem, os Djurtus apesar do momento sanitário complicado que o mundo atravessa, sentiram aquele calor humano do público que respondeu a alegria com cânticos, palmos e barulhos por todo o território nacional, rendendo a justa homenagem aos pupilos do mister Baciro Candé. 

Não sabemos se Baciro Candé merece ser considerado um herói nacional, ou se merece uma estátua alí ou acolá, nem se merece ser condecorado com a medalha de Amilcar Cabral...mas uma coisa todos concordamos, ele nos levou três vezes consecutivas a fase final de um Campeonato Africano das Nações. É o único!

© O Golo GB 


Partilhe no Google Plus

0 comentários:

Publicar um comentário